Venezuela

0 1088
Imagem: Correio da Venezuela

A Venezuela tem 333 casos confirmados e 10 mortes associadas ao coronavírus. Pelo menos 142 pessoas recuperaram da doença. O anúncio foi feito pelo presidente Nicolás Maduro durante uma reunião da Comissão Presidencial para a Prevenção da Covid-19, que teve lugar no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas.

O Presidente  informou que foram identificados 16 venezuelanos que faleceram recentemente, no estrangeiro, devido à covid-19, mas que “poderão ser muitos mais”.

Nicolás Maduro anunciou que vão chegar “várias toneladas” de ajuda humanitária à Venezuela, enviadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização Panamericana da Saúde (OPS), para combater a pandemia da covid-19.

“Nas próximas semanas vai continuar a chegar ajuda humanitária, para continuar a abastecer a Venezuela de testes rápidos da covid-19 e de todo o material para tratamento e proteção dos trabalhadores da saúde”, disse, na noite de quinta-feira.

Nicolás Maduro explicou ainda que a Venezuela “tomou medidas a tempo” para combater a pandemia.

O Presidente Nicolás Maduro não precisou quantas toneladas de ajuda humanitária vão ser enviadas pela ONU e a OPS para a Venezuela, nem a data exata em que está previsto que cheguem ao país.

O envio de ajuda humanitária foi aprovado durante uma reunião em que esteve presente o coordenador da ONU em Caracas, Peter Grohmann, a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, e os ministros venezuelanos de Relações Exteriores e da Saúde, Jorge Arreaza e Carlos Alvarado, respetivamente.

Segundo Delcy Rodríguez, a coordenação do ONU na Venezuela, solicitou, quinta-feira, autorização ao Governo do Presidente Nicolás Maduro, para estudar a estratégia venezuelana de combate à pandemia da covid-19, para “replicá-lo” em outras nações.

“Eles falam de que se trata de uma estratégia de supressão. Assim se chama epidemiologicamente, e pedem autorização para estudar este modelo (venezuelano) e depois poder replicá-lo noutros países”, disse Delcy Rodríguez à televisão estatal venezuelana.

Segundo a vice-presidente venezuelana, a ONU destaca que a Venezuela “tomou medidas muito cedo”. “Medidas muito oportunas que fizeram que a curva (de contagiados) se achatasse”, frisou.

Por outro lado, anunciou que nos próximos dias a Venezuela entrará numa nova fase de massificação de testes para detetar pessoas com a covid-19 que incluirá visitas casa a casa.

A Venezuela está desde 13 de março em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar “decisões drásticas” para combater a pandemia. O estado de alerta foi decretado por 30 dias e prolongado por igual período.

Os voos nacionais e internacionais estão restringidos.

Desde 16 de março que os venezuelanos estão em quarentena e impedidos de circular livremente entre os vários estados do país