Historiador publica livro sobre a emigração portuguesa na Venezuela

Historiador publica livro sobre a emigração portuguesa na Venezuela

0 246

Froilán Ramos Rodriguez é historiador e professor universitário no Chile que desenvolveu uma investigação sobre a emigração portuguesa, grande parte dela madeirense, para a cidade de Barquisimeto na Venezuela, publicada num livro intitulado “Travesía de la esperanza”.

Froilán Ramos Rodriguez é natural da Venezuela, onde fez a licenciatura e mestrado em história. Após isso, seguiu para o Chile onde realizou o doutoramento. Lugar onde reside atualmente e onde é professor na Universidad Católica de la Santísima Concepción (UCSC).

Ao JM, o historiador explicou como, apesar de não existirem ligações aparentes a Portugal, surgiu este projeto de investigação sobre a emigração portuguesa para a Venezuela. “As minhas motivações para fazer esta pesquisa foram diversas”, acrescentando que “desde criança cresci numa família relacionada a migrantes, italianos, espanhóis e portugueses”. Além disso, na escola, “eu tinha colegas de classe, filhas de portugueses”. Também na universidade, “eu tive uma professora que também era filha de portugueses”. Concluindo assim que “todos esses laços da vida quotidiana e de amizade, levaram-me a interessar-me pelo estudo da história dos portugueses na Venezuela”, o que deu origem “a este livro”.

“Travesía de la esperanza”

O livro «Travesía de la esperanza», foi publicado em outubro de 2019, pode ser consultado no repositório ‘online’ da Universidad Católica de la Santísima Concepción e, como o professor universitário nos explica, é resultado de “uma investigação histórica de vários anos, que toma como estudo de caso a cidade de Barquisimeto na Venezuela”, onde foi estudado “o processo de migração portuguesa na nação sul-americana”. Adiantando que “os portugueses foram a terceira maior nacionalidade que emigrou para a Venezuela após a Segunda Guerra Mundial, depois dos italianos e espanhóis”.

Mais de 60%

Froilán Ramos Rodriguez afirmou ainda que a Madeira foi a grande “exportadora” de mão de obra para este país sul-americano. “Uma característica importante da migração portuguesa foi que mais de 60% vieram da Madeira”. Onde “eram principalmente jovens, que atravessaram o Atlântico e acabando por ficar nas principais cidades venezuelanas em várias atividades comerciais”.

Como explica o historiador “os portugueses deixaram uma grande marca na Venezuela” devido à “sua história, gastronomia e cultura”. Dando-nos exemplos “dos clubes sociais portugueses nas principais cidades”, de um “jornal publicado em português, o clube de futebol (O Club Sport Marítimo da Venezuela), as igrejas da Virgem de Fátima, a celebração de 10 de junho nas principais praças”, contribuíram também “para o consumo maciço de pão, entre outros”.

NO COMMENTS

Leave a Reply