Madeira reconhece oficialmente legitimidade da Assembleia Nacional venezuelana

Madeira reconhece oficialmente legitimidade da Assembleia Nacional venezuelana

0 1

A Madeira é a primeira região no país a reconhecer oficialmente a legitimidade da Assembleia Nacional, bem como a do seu Presidente, Juan Guaidó.

A resolução da Assembleia Legislativa da Região, aprovada na reunião plenária de 20 de Fevereiro, foi publicada esta quarta-feira no Jornal Oficial da Região (JORAM) e aponta a necessidade da Madeira “associar-se ao apelo para a urgente realização de eleições livres e democráticas, na Venezuela, reivindicando uma posição mais firme e determinada, por parte da comunidade internacional, na restauração da Democracia e da Liberdade na Venezuela”.

No documento, lê-se também: “O clima de violência e de confrontos na Venezuela chegou a uma situação insustentável. O povo venezuelano está em sofrimento com o agravamento da repressão das forças de segurança e grupos armados de apoio ao regime de Nicolás Maduro, que já causaram mais de 40 mortos, resultantes dos confrontos que se agudizaram após as manifestações de 23 de janeiro. 850 pessoas já foram detidas, incluindo dezenas de crianças, de acordo com o balanço realizado a 29 de janeiro de 2019. Acresce que estamos a viver uma catástrofe humanitária, com a falta de alimentos, de medicamentos, de assistência médica e de bens essenciais à população, onde 87 % da mesma vive na pobreza, 79 % dos hospitais não têm água e apenas 25 % das crianças são vacinadas, obrigando à fuga de mais de três milhões de venezuelanos”.

Dada a crise humanitária, social, económica e política, acrescenta a Região, que “a comunidade internacional deve intensificar os seus esforços para assegurar uma transição democrática na Venezuela, com o poder a ser assumido pelo Presidente da Assembleia Nacional, único órgão legitimamente eleito, até à realização de eleições livres. Não existem mais condições, nem legitimidade democrática, para que o regime socialista de Nicolás Maduro se perpetue no poder”.

NO COMMENTS

Leave a Reply