Maduro acusa distribuidores de desviarem alimentos para países como Portugal

Maduro acusa distribuidores de desviarem alimentos para países como Portugal

0 439

Presidente acusou distribuidores privados de alimentos de estarem a fazer uma "guerra económica" contra os venezuelanos

Maduro fez uma paragem técnica em Portugal, onde se reuniu com o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas.

CORREIO/LUSA

O presidente da Venezuela acusou no sábado, 17 de Janeiro, os distribuidores privados de alimentos de estarem a fazer uma «guerra económica» contra os venezuelanos e denunciou que os produtos importados para abastecer o mercado local vão parar a outros países, incluindo Portugal.

«Se investimos em dólares e em bolívares para importar, para produzir (…) porque é que, pelas redes privadas, os produtos acabam em Cúcuta, em Bucaramanga, em Bogotá, em Cali (todas elas localidades na Colômbia), em Aruba, em Miami (EUA) e até em Portugal», questionou Nicolás Maduro.

Nicolás Maduro falava no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, num discurso transmitido pelas televisões venezuelanas, depois de regressar de um périplo pela Rússia, China, Irão, Arábia Saudita, Catar e Argélia, que incluiu, na sexta-feira anterior, uma paragem técnica em Portugal, onde se reuniu com o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas.

«A distribuição de todos estes produtos (escassos no mercado nacional) está nas mãos de empresas privadas, parasitárias quase todas e ‘maioristas’ (venda por atacado). A nossa rede (estatal) de distribuição e comercialização às vezes pode ter algum problema, aqui ou acolá, mas o povo é atendido sempre e aí encontra o que necessita para a sua família», explicou.

Segundo Nicolás Maduro em apenas quatro dias os distribuidores impuseram uma guerra psicológica que levou 18 milhões de pessoas a irem fazer compras aos serviços comerciais públicos e privados, «três vezes mais do que em qualquer (outra) circunstância».

«Há que mudar o modelo de distribuição e comercialização que foi posto ao serviço da guerra económica contra o povo. Há que mudar tudo e mudar já. Ou mudamos esse modelo ou eles vão fazer graves danos à paz da República», vincou.

O presidente da Venezuela explicou que o seu Governo já teve bastante paciência, que muitas vezes chamou os empresários ao palácio presidencial para conversar e que ordenou à sua equipa convocar novamente «todos os distribuidores e ‘maioristas’, um a um».

«Façamos que assinem um ultimato de respeito pelo povo e as leis da Venezuela ou actuarei com todo o peso da Lei e da Constituição. Já basta de emboscadas e de guerra económica contra o povo», disse, vincando que o «grande repto histórico do ano 2015» é derrotar essas «mafias».

Segundo o canal de estatal Venezuelana de Televisão, a Associação Nacionais de Supermercados e Afins (Ansa, presidida por portugueses) tem 71.000 estabelecimentos comerciais na Venezuela, representando quase 80% da distribuição nacional de produtos.

NO COMMENTS

Leave a Reply