Rio diz que posição do Governo português perante a Venezuela tem sido...

Rio diz que posição do Governo português perante a Venezuela tem sido “prudente”

0 1

O presidente do PSD considerou hoje que a posição do Governo português em relação à situação na Venezuela tem sido “prudente” e disse apoiar “totalmente” a decisão do Parlamento Europeu de reconhecer Guaidó como “Presidente interino legítimo” do país.

“Dentro desta matéria, a posição que [o Governo português] foi tendo, prudente por causa dos portugueses, mas também lutando na União Europeia para que a posição fosse esta, nesse aspeto, as informações que também fomos falando, cruzando, estão corretas, estão de acordo com aquilo que eu entendo que deve ser feito”, disse Rui Rio em declarações aos jornalistas, em Beja, após ter reunido com a associação ACOS – Agricultores do Sul, Rui Rio.

Questionado pelos jornalistas sobre se o Governo português está a agir bem em relação à situação na Venezuela, Rui Rio respondeu afirmativamente.

“Tem de haver sempre alguma prudência, porque temos lá muitos portugueses”, defendeu, observando que “aquilo que sempre disse é que Portugal devia tomar a mesma posição que a União Europeia”.

Rui Rio reiterou que Portugal “devia lutar e defender a posição de que a União Europeia deveria reconhecer Guaidó” como presidente interino legítimo da Venezuela e, “acima de tudo”, que “acabou o tempo” de Nicolás Maduro e, “ainda mais, eleições verdadeiramente livres” no país.

Depois, “o povo venezuelano decide como entender”, afirmou, para acrescentar: “Não acredito que decida a favor de Maduro se as eleições forem completamente livres”.

“A posição clara da União Europeia é uma posição que apoio totalmente” e “Portugal, tanto quanto sei, defendeu essa posição dentro da União Europeia desde sempre”, declarou o líder social-democrata.

O Parlamento Europeu reconheceu hoje Juan Guaidó como o “Presidente interino legítimo” da Venezuela e exortou a União Europeia e os seus Estados-membros a assumirem uma posição semelhante, enquanto não for possível convocar eleições presidenciais.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino e declarou que assumia os poderes executivos do chefe de Estado Nicolás Maduro.

Após a sua autoproclamação, Guaidó, de 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Também anunciou uma amnistia aos militares e funcionários públicos que “colaborarem com a restituição da democracia”.

Nicolás Maduro, de 56 anos, chefe de Estado desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento, no qual a oposição tem maioria, como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos da América.

A repressão dos protestos antigovernamentais da última semana provocou pelo menos 40 mortos, de acordo com dados das Nações Unidas.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Na Venezuela, antiga colónia espanhola, residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

NO COMMENTS

Leave a Reply