Balanço Covid-19 Portugal: 25.351 infetados e 1.007 mortos

Balanço Covid-19 Portugal: 25.351 infetados e 1.007 mortos

0 2147
Imagem: Correio da Venezuela

Portugal regista hoje 1.007 mortos, mais 18 do que na quinta-feira, e 25.351 infetados (mais 306), indica o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direcção Geral da Saúde.

Comparando com os dados de quinta-feira, em que se registavam 989 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1,8%. A taxa de letalidade em Portugal está nos 4%, disse também a ministra da Saúde, sendo que é de 14,2 por cento em pessoas com mais de 70 anos.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (25.351), os dados da DGS revelam que há mais 306 casos do que na quinta-feira, representando uma subida de 1,2%. O 86 por cento dos casos de pessoas infetadas estão a recuperar em casa. Aguardam resultado laboratorial 3828 pessoas. O número de casos recuperados também aumentou: são agora 1647 (ontem eram 1519). Em vigilância estão 29.756 pessoas.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (578), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (202), do Centro (201) Algarve (13), dos Açores (12) e do Alentejo que regista um caso, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de quinta-feira.

A ministra da Saúde informou que o número médio de casos secundários resultantes de um caso infetado, o agora muito falado Rt, está nos últimos cinco dias em 0,92. Ou seja, em média, uma pessoa infetada passa o vírus a menos de que um pessoa.

A Ministra da Saúde afirmou que «os números ainda estão acima do que desejaríamos mas estão muito mais controlados do que estavam há 15 dias. O «país está mais pronto agora» para reabrir aos poucos, disse ainda.

A ministra da Saúde assegurou a continuidade das medidas para controlar a transmissão do vírus e para reduzir a mortalidade e os casos graves de infeção pela covid-19, mantendo a «reserva estratégica» de meios.

«Continuamos a ter, em constante preparação, a nossa reserva estratégica, não só de equipamentos de proteção individual, mas também de infraestruturas, de recursos humanos, de meios adequados a responder adequadamente a um eventual crescimento do surto epidémico», afirmou Marta Temido, na conferência de imprensa diária de atualização de informação sobre a pandemia da covid-19.

NO COMMENTS

Leave a Reply