Academia da Espetada mãe celebrou o 12.º aniversário

As mulheres da Academia continuam a recolher fundos no Estado de Aragua.

0
755

Apesar do momento que a Venezuela atravessa, o trabalho das Academias da Espetada continua sem descanso. É o caso da academia mãe, com sede na cidade de Maracay, Estado de Aragua, que no passado dia 10 celebrou em grande o 12.º aniversário.

Foram muitas as amigas que marcaram presença no restaurante Rodeo Grill, pelas 7:30 da noite, para celebrar mais um ano de vida da instituição. A presidente da Academia, Ana Maria de Abreu, focou o trabalho da academia de beneficência em ajudar os seus semelhantes.

“Desde o nosso começo que apoiamos de alguma forma, tal como as pessoas que vão às tertúlias. Nesse momento de lazer ajudamos quem precisa, e isso alimenta-nos a alma. Apesar de estarmos num momento crítico, há que procurar essa sinergia, isso preenche-nos”, assinalou.

A Academia da Espetada de Maracay realizou o seu primeiro jantar a 11 de Agosto de 2003, e é conhecida como a Academia Mãe. A ideia de fundá-la surgiu depois de uma reunião da Comissão Feminina do Lar Geriátrico Luso-Venezuelano, como resposta a uma necessidade de organizar convívios apenas para as senhoras e a acrescentar a isso, organizar uma causa de beneficência. Foi então feita uma convocatória para propor vários nomes e o escolhido acabou por ser Academia da Espetada. Na semana seguinte, foram eleitas as pessoas para fazer parte da primeira junta directiva: Noemi de Coelho, Ana Maria de Abreu, Maria Fátima Fernandes de Pestana, Branca Rosa de Almeida Dias, Maria Graça de Canha, Maria Gonçalves de Pita, Maria Pereira de Faria e Teresa de Jesus Correia de Teixeira.

Em cada um dos jantares realizam-se diferentes tipos de dinâmicas de grupo com a finalidade de fazer de cada jantar um momento irrepetível e diferente. Para além disso, existe um ritual a seguir: Um brinde e a oração ao Pai da Bondade, que foi escrita pelo padre Miguel Pan.

Depois, é altura de desfrutar do jantar, uma espetada de carne e vaca e de frango, algumas vezes acompanhada por batata, pão e saladas. A sangria é a bebida oficial desta organização.

Artículo anteriorCaracas e Valência celebram a Nossa Senhora do Monte
Artículo siguienteAlfredo Pires, um homem empreendedor
Editor - Jefe de Redacción / Periodista sferreira@correiodevenezuela.com Egresado de la Universidad Católica Andrés Bello como Licenciado en Comunicación Social, mención periodismo, con mención honorífica Cum Laude. Inició su formación profesional como redactor de las publicaciones digitales “Factum” y “Business & Management”, además de ser colaborador para la revista “Bowling al día” y el diario El Nacional. Forma parte del equipo del CORREIO da Venezuela desde el año 2009, desempeñándose como periodista, editor, jefe de redacción y coordinador general. El trabajo en nuestro medio lo ha alternado con cursos en Community Management, lo que le ha permitido llevar las cuentas de diferentes empresas. En el año 2012 debutó como diseñador de joyas con su marca Pistacho's Accesorios y un año más tarde creó la Fundación Manos de Esperanza, en pro de la lucha contra el cáncer infantil en Venezuela. En 2013 fungió como director de Comunicaciones del Premio Torbellino Flamenco. Actualmente, además de ser el Editor de nuestro medio y corresponsal del Diário de Notícias da Madeira, también funge como el encargado de las Comunicaciones Culturales de la Asociación Civil Centro Portugués.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here