Valencia pronta para receber XXXI Festival de Folklore Portugués

Espera-se a participação de um grande número de grupos de todo o país

0
1738

O Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense de Valencia, Estado de Carabobo, já começou a organização da XXXI edição do Festival de Folklore Portugués de Venezuela. Apesar da crise económica que afeta o país, os organizadores esperam uma que muitos grupos de toda a Venezuela assistam ao evento, tendo como principal finalidade realçar o melhor do folclore lusitano.

O encontro, marcado para o sábado 24 de junho, a partir das 15h00, no salão Madeira do Centro Social Madeirense de Valencia, Estado de Carabobo, terá como lema “Centenario de las Apariciones”. O grande atrativo deste ano de 2017 será a presença da Imagem Peregrina da Virgem de Fátima, que estará de passagem pela Venezuela durante os meses de junho e julho. A presença da escultura religiosa tem lugar logo após de, em 2016, a Diocese de Maracay, promotora da peregrinação, ter lançado o desafio para que o próximo organizador dedicasse o Festival à Virgem e, assim, eles garantiriam a presença da imagem peregrina na iniciativa. A primeira reunião preparatória do Festival, para a qual foram convidadas dez grupos, está agendada para este domingo 12 de fevereiro.

«Para nós, é uma honra receber todos os grupos na nossa casa. Acreditamos que, apesar da situação do país, o Festival é uma oportunidade perfeita para realçar a portugalidade. Infelizmente, cada vez há menos grupos, pois muitos foram extintos por falta de membros, devido à migração, aos problemas económicos ou/e à insegurança. Como tal, este tipo de encontros é uma oportunidade valiosa para que não morram os nossos costumes e tradições. Se não há um esforço conjunto, vamos acabar por perder a nossa tradição», afirmou David Otero, Diretor de Cultura e Inmigración do Centro Social Madeirense de Valencia.

Dez grupos destacaram Portugalidade em 2016

A mais recente edição do Festival de Folklore Portugués de Venezuela realizou-se nas instalações da Casa Portuguesa de Maracay, Estado Aragua, e foi organizada pelo Grupo Folklórico Amizade sob o lema “Portugal: Terra de navegantes”, resultando vencedor o Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense. A iniciativa contou com a participação de dez grupos: Fundación Cultural Grupo Folclórico “Cantinhos Da Madeira”, Grupo Folclórico Internacional Luso Centro Marítimo de Venezuela,  Grupo folclórico “Da Nossa Mocidade” de la Victoria, Estado Aragua, Asociación Cultural Grupo Folclórico “Os Lusíadas”, Grupo Folclórico del Centro Socio Cultural Virgen de Fátima, Rancho Folclórico Costumbres y Tradiciones de Portugal de San Juan de Los Morros estado Guárico, Escuela y Grupo Folclórico del Centro Social Madeirense de Valencia, Grupo Folclórico del Centro Social Madeirense de Valencia, Grupo Folclórico del Centro Luso Venezolano do Estado Vargas e o Rancho Folclórico Saudades de la Casa Portuguesa Venezolana do Estado Carabobo.

Um festival com história

O Festival de Folklore Portugués realizou-se pela primeira vez em 1981 no Centro Portugués de Naguanagua, Estado Carabobo, por iniciativa de “Dimensão Lusitana”, sob a direção de Rui Urbano, com a finalidade de reunir os diferentes grupos folclóricos portugueses na sua segunda pátria, a Venezuela, y demostrar aos venezuelanos e restante comunidade a variedade e a riqueza do folclore português, Neste evento cheio de emoção e novidades, o Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense mereceu o Primeiro Lugar.

Durante os seguintes quatro anos, “Dimensão Lusitana” continuará a organizar o “Festival de Folklore Portugués” nas instalações dos diferentes centros sociais de Valencia, Maracay e Caracas. Nestes festivais, o Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense obteve três primeiros lugares e o Grupo Folklórico “Perla do Atlántico” um primeiro lugar.

Devido a problemas surgidos no quinto Festival, a sua organização foi paralisada durante três anos, hasta el año 1988, donde nuevamente el Sr. Rui Urbano organiza el “VI Festival de Folklore Portugués”, sendo merecedor do primeiro lugar o Grupo Folklórico Amizade de la Casa Portuguesa del Estado Aragua. No ano seguinte, tem lugar o “VII Festival de Folklore Portugués”, na Casa Portuguesa del Estado Aragua, sob a direção de Rui Urbano, onde o Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense, obtém novamente o 1 º lugar.

Nos três anos seguintes, não se realiza novamente o festival, até 1993, quando o Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense organiza o “VII Festival de Folklore Portugués”com a participação de 13 grupos e uns regulamentos que permitem manter e continuar a realização do Festival, assim como dar oportunidade aos diferentes grupos folclóricos de ser anfitriões nos próximos eventos.

Ultrapassados alguns problemas e desacordos, o mais importante é que este evento tem conseguido unir tantos grupos folclóricos portugueses, assim como permitir um trabalho de investigação no que se refere à cultura, trajes, música e danças típicas portuguesas, oferecendo ao público que desfruta destes eventos um folclore variado e uma cultura de um povo que tem demonstrado, um pouco por todo o mundo, que consegue brilhar devido amor que sente pelos seus costumes e tradições.

A saber

Comité de Cultura del Centro Social Madeirense

Facebook: Comité de Cultura del Centro Social Madeirense

Instagram: @comitedeculturacsmadeirense

Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense

Facebook: Grupo Folklórico del Centro Social Madeirense

Instagram: @grupofolkloricocsm

Artículo anteriorEncontro Folclórico Madeirense em outubro
Artículo siguienteSandra&Ricardo apresentam novo videoclip na Madeira (+VIDEO)
Editor - Jefe de Redacción / Periodista sferreira@correiodevenezuela.com Egresado de la Universidad Católica Andrés Bello como Licenciado en Comunicación Social, mención periodismo, con mención honorífica Cum Laude. Inició su formación profesional como redactor de las publicaciones digitales “Factum” y “Business & Management”, además de ser colaborador para la revista “Bowling al día” y el diario El Nacional. Forma parte del equipo del CORREIO da Venezuela desde el año 2009, desempeñándose como periodista, editor, jefe de redacción y coordinador general. El trabajo en nuestro medio lo ha alternado con cursos en Community Management, lo que le ha permitido llevar las cuentas de diferentes empresas. En el año 2012 debutó como diseñador de joyas con su marca Pistacho's Accesorios y un año más tarde creó la Fundación Manos de Esperanza, en pro de la lucha contra el cáncer infantil en Venezuela. En 2013 fungió como director de Comunicaciones del Premio Torbellino Flamenco. Actualmente, además de ser el Editor de nuestro medio y corresponsal del Diário de Notícias da Madeira, también funge como el encargado de las Comunicaciones Culturales de la Asociación Civil Centro Portugués.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here