Rui Abreu: “Balcão das Comunidades na Loja do Cidadão foi aposta ganha”

O número de atendimentos no balcão da DRCCE da Loja do Cidadão duplicou em 2022. Em nove meses de funcionamento. Foram realizados 5.356 atendimentos, numa média de 30 utentes por dia

0
51

A Direção Regional das Comunidades e Cooperação Externa (DRCCE) reforçou o serviço de atendimentos no Balcão da Loja do Cidadão. Duplicou os colaboradores e a área de atendimento, para fazer face à crescente procura por parte de cidadãos portugueses e estrangeiros.

Em 2021, durante os nove meses de funcionamento do balcão aberto esse ano, o número total de atendimentos saldou-se em 2.797. Em 2022, também por um período de nove meses, já foram atendidas 5.356 pessoas

“Abrimos o balcão na Loja do Cidadão em abril do ano passado. Em pouco tempo passamos de 128 atendimentos no primeiro mês para 200 no mês seguinte. Passados poucos meses já estávamos a atender entre 400 e 500 pessoas mensalmente”, adiantou o diretor regional das Comunidades e Cooperação Externa, Rui Abreu, após a reunião trimestral mantida esta semana com os colaboradores para analisar os relatórios de atendimentos.

“Para fazer face ao número crescente de solicitações por parte dos madeirenses emigrados ou que querem emigrar, e de estrangeiros que querem residir e/ou trabalhar na Região duplicámos o número de colaboradores, bem como o espaço do atendimento na Loja do Cidadão”.

“Foi uma aposta ganha”, sublinhou Rui Abreu.

 

Portugueses, venezuelanos e britânicos dominam procura

Nos primeiros nove meses deste ano, foram atendidas um total de 5.356 pessoas no Balcão da DRCCE na Loja do Cidadão, o que representa uma média de 30 atendimentos diários.

“Os cidadãos portugueses são os que mais procuraram os serviços da Direção. Seguem-se os cidadãos venezuelanos, em terceiro os britânicos, e em quarto lugar os brasileiros”, enumerou o governante.

 

Cidadãos russos na Madeira aumentam

O êxodo na Rússia devido à mobilização militar também tem trazido alguns cidadãos russos à Madeira. “Nos últimos dois meses, temos tido uma procura crescente por parte de cidadãos russos, homens, maioritariamente em idade de serem mobilizados e famílias que procuram residência na Região”.

É claro que os serviços da Direção Regional são procurados por pessoas das mais diversas nacionalidades: “cidadãos dos Estados Unidos da América, da Argentina, de Cabo Verde, ou do Nepal, são apenas alguns dos exemplos”.

No que respeita aos motivos dos atendimentos, os pedidos de agendamento no SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) para assuntos relacionados com títulos de residência, o Brexit, os Vistos para o Reino Unido, e esclarecimento sobre viagens foram os assuntos dominantes.

Em números, o primeiro mês do ano começou com 541 atendimentos, mais 10,18% do que no mês anterior. Maio, Agosto e Setembro foram os meses com maior número de pessoas atendidas, ultrapassando-se a barreira dos 650 atendimentos mensais.

“Em maio, foram realizados 654 atendimentos, mais 26,29% face ao mês anterior. Uma flutuação que, segundo Rui Abreu “poderá ser explicada pela abertura dos espaços aéreos, e consequentemente a maior liberdade de viajar”.

Também agosto e setembro foram meses de muita procura “Batemos o nosso recorde mensal em setembro com 676 atendimentos. E em agosto também tivemos um bom rácio, com 663 pessoas atendidas. Foram os dois meses com maior número de atendimentos no nosso balcão da Loja do Cidadão desde a sua abertura”, disse o governante, explicando que os números de agosto e setembro coincidem com a vinda de emigrantes à Madeira para passar férias.

“Os nossos emigrantes, quando passam férias na Madeira, aproveitam para tratar de assuntos junto dos nossos serviços. Como todos sabem, a maioria dos consulados portugueses no estrangeiro não conseguem dar respostas em tempo útil, daí a subida do número de atendimentos em plena época estival”, constatou, lembrando a falta de investimento de Lisboa na rede consular.

 

“Falta de investimento na rede consular é lamentável”

“É lamentável a falta de investimento na rede consular, por parte do Governo da República. Os consulados fazem o melhor que podem, mas a falta de recursos humanos leva a grandes atrasos nos atendimentos”, lamentou, exemplificando: “Uma simples marcação pode demorar meses, e renovar os documentos outros tantos. Por isso, as pessoas acabam por tratar dos seus assuntos quando vêm à Madeira, onde os serviços são efetivamente mais céleres”.

Por tudo isto, o responsável pela pasta das Comunidades considera a abertura do balcão na Loja do Cidadão “a opção mais acertada”.

“Em abril de 2021, abrimos o nosso primeiro balcão de atendimento na Loja do Cidadão. Dada a grande procura que houve ao longo do ano passado, houve a necessidade de termos mais um posto de atendimento”. O governante continuou: “Em julho deste ano, passámos a ter dois postos de atendimento da Direção Regional na Loja do Cidadão, e foi mais uma aposta ganha”.

 

Atendimentos DRCCE Balcão da Loja do Cidadão

2021 2022 Variação homologa
Janeiro 541
Fevereiro 595
Março 574
Abril 138 515
Maio 264 654
Junho 200 594
Julho 289 544
Agosto 298 663
Setembro 408 676
Outubro 468
Novembro 539
Dezembro 491
Valor Acumulado 2.797 5.356

 

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here