Bancários de Portugal e Espanha convocam manifestações por aumentos salariais dignos

0
140

Os sindicatos bancários ligados à UGT protestam esta quinta-feira frente à Associação Portuguesa de Bancos, em Lisboa, por aumentos salariais dignos, numa ação concertada com os sindicatos de Espanha que se manifestam nessa manhã, em Madrid.

O Sindicato dos Bancários do Norte lançou um apelo aos seus associados para que vão “mostrar a indignação” perante as propostas dos bancos e reclamem aumentos salariais “justos e dignos”.

O presidente do Mais Sindicato, António Fonseca, disse à Lusa que é altura “de dar um grito” pela valorização dos bancários e que decidiram concertar posições entre sindicatos dos dois países, pois os bancários vivem situações semelhantes e muitos bancos portugueses são dominados por capital espanhol.

O dirigente sindical considerou que os bancos têm dois pesos e duas medidas porque sempre as negociações salariais se basearam na inflação do ano anterior, mas recentemente querem que se baseiem na inflação do ano atual porque lhes é mais vantajoso.

Em 2023 o aumento salarial foi de 4,5% perante inflação de 7,8% em 2022 e em 2024 propõem 2% perante inflação de 4,3% em 2023, disse.

Os sindicatos afetos à UGT (SBN, SBC e Mais Sindicato), que reivindicam aumentos de 6%, apelidaram de “miserável e indecorosa” a proposta dos bancos que subscrevem o Acordo Coletivo de Trabalho do setor. O banco público Caixa Geral de Depósitos (que tem uma mesa negocial própria) propõe 3%, enquanto o Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do grupo CGD (STEC) reivindica 7%.

Além do custo de vida, os sindicatos têm recordado os lucros da banca nas reivindicações salariais. Já os bancos têm mantido as expectativas baixas, admitindo informalmente que o valor pode ficar acima de 2%, mas ligeiramente (no ano passado os bancos propunham 4% e terminou nos 4,5%).

Em Portugal, dos cinco grandes bancos, já apresentaram contas Santander Totta, Novo Banco e BPI (crescimento dos lucros para 1.030 milhões de euros, 743 milhões de euros e 524 milhões de euros, respetivamente). CGD e BCP ainda não apresentaram, mas os dados até setembro (a CGD lucrou 987 milhões de euros e o BCP 651 milhões de euros) permitem antever que 2023 foi um ano de lucros históricos pelo menos desde 2007.

Esta segunda-feira, questionado sobre os aumentos salariais, o presidente do BPI disse valorizar a função dos sindicatos, mas não se rever num tipo de discurso público que considerou agressivo.

“Eu não concordo que isto faça parte de pressões. Tenho uma lógica de sociedade diferente, essa sociedade de luta de classes acabou lá atrás, temos de construir outra sociedade, com outro tipo de diálogo, de menos diabolizações de banqueiros, do tipo que não tem sensibilidade”, afirmou João Pedro Oliveira e Costa.

Em Espanha o ano de 2023 foi de lucros recorde. Santander, BBVA, CaixaBank, Sabadell e Bankinter tiveram lucros conjuntos de 26.000 milhões de euros, segundo contas da Efe.

A negociação salarial em Espanha é plurianual, propondo os bancos aumentos salariais de 7% para todo o convénio coletivo 2024-2026, enquanto os trabalahdores pedem um mínimo de 17%.

Em Espanha há 140 mil bancários e em Portugal há cerca de 40 mil.

Em anos anteriores, durante as grandes reestruturações dos bancos portugueses, saíram milhares de trabalhadores. Nos anos mais recentes os bancos continuam a reduzir o quadro de pessoal ainda que de forma menos significativa, mantendo várias instituições processos de saídas por acordo e reformas antecipadas.

Em Portugal, o protesto decorre na quinta-feira às 14h00 frente à sede da Associação Portuguesa de Bancos, em Lisboa. Em Espanha, a principal manifestação decorrerá em Madrid durante a manhã convocada pelas confederações sindicais Comisiones Obreras, UGT e FINE.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here