Camões cimenta no Brasil a ligação dos emigrantes a Portugal

0
41

A dirigente associativa Noémia Serra realçou hoje o papel da figura de Camões na ligação das comunidades portuguesas do Brasil ao país de origem, contando que ela própria recuperou um busto do poeta na cidade de Santos.

Desempenhando há vários anos cargos de direção no Centro Cultural Português (CCP), a artista, de 78 anos, disse à agência Lusa que a referida escultura do autor de “Os Lusíadas” estava em muito mau estado, na sede da coletividade, que congrega compatriotas há quase 130 anos, muitos deles oriundos de concelhos adstritos à Serra da Lousã.

O CCP é uma associação administrada por portugueses radicados naquela cidade portuária, no estado de São Paulo, que resultou da fusão, em 2010, do Centro Português de Santos, fundado em 1895, com a Sociedade União Portuguesa, criada em 1928.

“O busto de Luís de Camões estava muito degradado. Levei-o para minha casa e com muita paciência, durante meses, procedi ao seu restauro”, disse Noémia Serra, nascida em 1945 numa aldeia serrana da Lousã, distrito de Coimbra.

Concebido em finais do século XIX, de acordo com o estilo neomanuelino, evocando a saga dos Descobrimentos portugueses, o edifício do antigo Real Centro Português foi alvo nos últimos anos de vultuosos investimentos para assegurar boas condições de funcionamento às duas instituições culturais reunidas há 14 anos.

O Salão Camoniano, com pinturas inspiradas em “Os Lusíadas”, produzidas pelo espanhol A. Fernández, “estava muito abandonado e beneficiou também de especializados trabalhos de restauro”, que tiveram apoio do Estado Português, segundo Noémia Serra, radicada no Brasil desde a infância e que está em Portugal com o marido de visita aos familiares do casal.

A portuguesa, que na atual fase da aposentação tem vindo a dedicar-se às artes plásticas, é vice-presidente do Elos Clube de Santos, que, apoiando as entidades congéneres da Praia Grande e de São Vicente, está envolvido nas comemorações dos 500 anos do nascimento de Luís Vaz de Camões.

As cerimónias para toda a Baixada Santista vão decorrer no Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, junto ao monumento a Camões, da autoria de Jorge Guerreiro, no município de São Vicente.

Inaugurado em 1980, com apoio da prefeitura, no âmbito do quarto centenário da morte do poeta, o monumento vai reabrir ao público no 10 de Junho, após requalificação promovida pelo Elos Clube vicentino, atualmente liderado por Celestino Domingues.

Desde o século XIX, no Brasil, Camões é igualmente evocado através da arte, por exemplo, no Real Gabinete Português de Leitura, uma biblioteca pública do Rio de Janeiro, também em estilo manuelino, a funcionar desde 1887, e no Clube Português de São Paulo, criado em 1920.

Em cerca de 55 anos de vida, rezam a história e as lendas, o poeta soldado Luís de Camões (1524-1580) andou pelo Norte de África, onde terá perdido um olho em combate, Ilha de Moçambique, Índia e Extremo-Oriente, tendo vivido, designadamente, em Macau.

Não viajou pelo Brasil, onde a armada de Pedro Álvares Cabral aportou em 1500. Ainda assim, meio século após ter nascido, o criador de “Os Lusíadas” povoa o imaginário algo patriótico dos portugueses que, desde o século XIX, buscaram “novos mundos” no maior país lusófono.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here