Caracas acusa EUA de quererem apropriar-se do crude venezuelano

0
25

O ministro do Petróleo da Venezuela Tarek El Aissami, denunciou hoje que o seu país é vítima de assédio dos Estados Unidos e acusou Washington de querer apropriar-se do crude venezuelano, das maiores reservas de petróleo do mundo.

“Tomo a liberdade de denunciar (…) que, apesar dos gigantescos esforços feitos pela OPEP para procurar a estabilidade do mercado petrolífero mundial, a Venezuela continua submetida a um ‘regime’ ilegal e assédio implacável de parte do imperialismo norte-americano e seus governos aliados, com a pretendida intenção de se apropriar das maiores reservas de petróleo do mundo”, disse.

Tarek El Aissami falava em Caracas, ao finalizar um encontro com o secretário-geral da OPEP, Mohammed Barkindo, que se descolou à Venezuela a propósito do 61.º aniversário daquele organismo petrolífero.

O ministro venezuelano sublinhou que se trata “da maiores reserva de petróleo do mundo” e indicou que as intenções dos EUA, ficaram “evidenciadas pelas medidas coercivas unilaterais impostas contra a nossa indústria petrolífera e a estatal PDVSA, afetando assim a produção, refinação e exportação de petróleo bruto venezuelano desde há vários anos”.

“Por esta razão, desde a Venezuela fazemos um apelo a que seja imperativo e urgente salientar a necessidade de adotar mecanismos que nos permitam enfrentar as agressões habitualmente dirigidas pelo Governo dos EUA contra o nosso país e os nossos parceiros no mundo”, disse.

Tarek El Aissami recordou que desde dezembro de 2019 a OPEP “vê as sanções como distorções para o funcionamento eficiente do mercado”.

O petróleo que a Venezuela produz e exporta pertence ao mundo, isso quer dizer que a imposição de sanções contra a Venezuela é uma imposição também contra a OPEP, os países exportadores em geral, o mundo da indústria petrolífera”, disse referindo-se ao expressado por Mohammed Barkindo, durante a 177.ª conferência da OPEP, em 2019.

Por outro lado, o ministro de Petróleo da Venezuela ratificou o compromisso de Caracas de “continuar a reforçar o Acordo de Cooperação OPEP Plus, agora prolongado até dezembro de 2022 com os mais elevados princípios de cooperação, complementaridade e paz internacional”.

Por outro lado, o secretário-geral da OPEP, Mohammed Barkindo, explicou que aquele organismo tem passado por diversas “etapas e crise”, mas que a provocada pela pandemia da covid-19 não tem precedentes.

“Podemos dizer, que os melhores dias para a OPEP e a Venezuela estão à nossa frente (por vir)”, disse, referindo-se a que as perspetivas mundiais, são de um crescimento no consumo de gas e de petróleo até ao ano de 2045.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo foi criada a 14 de setembro de em Bagdad (Iraque) e reconhecida pela Organização das Nações Unidas desde 6 de novembro de 1962.

Foi criada pelo Irão, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e a Venezuela.

Atualmente, além daqueles países, são membros da OPEP, a Angola, Argélia, Emiratos Árabes Unidos, Gabão, Guiné Equatorial, Líbia, Nigéria e o Congo.

Segundo a imprensa venezuelana os países membros da OPEP produzem 43% da produção mundial de petróleo e têm 81% das reservas mundiais de petróleo.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here