Carlos Fernandes quer a Madeira incluída no percurso Lisboa-Caracas

0
110

Carlos Fernandes, deputado do PSD-M à Assembleia Legislativa da Madeira, espera que a retoma dos voos da TAP entre Caracas e Lisboa venha a contribuir, em breve, para a inclusão da Madeira neste percurso, tal como já aconteceu no passado.

«Consideramos que é muito oportuno que a TAP volte a ter ligações aéreas com a Venezuela, que era uma reivindicação da nossa comunidade, que tanto esperou por esse momento”, afirmou o parlamentar ao JM a ser instado comentar o regresso dos voos comerciais de passageiros entre as duas capitais, retoma que a companhia comunicou hoje e que confirma a notícia avançada pelo nosso jornal na quinta-feira.

“Não tem sido fácil para os portugueses que estão na Venezuela e também para os que estão na Madeira, terem de apanhar três a quatro voos para poderem vir cá ou ir lá”, lembrou Carlos Fernandes, observando que após ser conhecido o fim das das restrições, “não se esperava outra posição por parte da TAP, até porque já vem enquanto o transporte de carga desde há algum tempo”.

Para o deputado social democrata, este início do regresso à normalidade pede também um acerto com a história e com a realidade. “A nossa comunidade merece e só espero que isto seja o início de um processo que traga mais voos que, num futuro próximo, possamos ter ligações aéreas diretas entre a Madeira e Caracas”, apelou.

“Se repararmos, a maioria dos passageiros que vem desde Caracas tem como destino a Região Autónoma da Madeira, daí que só se possa pensar neste cenário”, justificou Carlos Fernandes, acrescentando ainda os factos de o “Estado português ser o sócio maioritário da TAP” e ainda “o orgulho que os portugueses sentem em viajar na sua companhia de bandeira nacional”.

“Vamos estar cá a fazer uma pressão consciente e sem extremismos”, prometeu o parlamentar, observando que todos devem saber “que apesar de a Venezuela possuir uma importante comunidade portuguesa, é também um país instável em termos políticos e económicos”.

Noutro, o deputado do PSD-M marcou hoje presença no Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa, que esteve reunido em Lisboa, na Sala dos Concursos, no Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Na ocasião, o parlamentar, que nascido na Venezuela, fez questão de transmitir um conjunto de preocupações à secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, nomeadamente ao nível do funcionamento dos consulados e a falta de ligações aéreas directas por parte da TAP entre a Madeira e cidades como Londres ou Paris, situação que qualificou como “inadmissível”.

Outra preocupação manifestada no referido encontro tem a ver com o programa Regressar, “o qual não abrange totalmente as regiões autónomas da Madeira e dos Açores”, lembrou.

“Acho que podemos ultrapassar isto, pois também somos portugueses e nós, na Madeira, assistimos ao regresso de mais de 10 mil lusodescendentes e madeirenses que estavam na Venezuela, que têm merecido especial atenção por parte do Governo Regional, mas que são abrangidos pelo programa Regressar”, lamentou.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here