Clubes desportivos venezuelanos estão em risco de falência técnica

0
147

Agência Lusa

Vários clubes desportivos venezuelanos estão em risco de falência técnica, devido à crise na Venezuela e aos efeitos da pandemia da covid-19 no país, alertou o lusodescendente António da Silva.

“Há alguns clubes perto da falência técnica e vão ter que fechar as portas de facto, outros vão ser vendidos a outros proprietários”, disse à agência Lusa.

Produtor do programa “3.º tempo” no canal desportivo Meridiano Televisão, António da Silva insistiu que a pandemia da covid-19 “tem afetado, de maneira forte, importante” a atividade desportiva no país, em particular a amadora, que está paralisada.

“As atividades das academias de jovens, os campeonatos de categoria juvenis, o futsal, o futebol feminino. Todas as modalidades desportivas estão sem atividade, com todas as consequências económicas que isso ocasiona para treinadores e fornecedores”, explicou.

“Os próprios atletas, no seu desenvolvimento, sobretudo quando falamos de categorias jovens, que viram interrompido esse processo formativo. Isso é grave e vai trazer consequências no futuro”.

“A nível profissional, o futebol, o basquete, o basebol que são os desportos de maior importância e atividade no país, conseguiram, através de modalidades de ‘borbulha’ avançar nos seus compromissos, mas (…)há muitos clubes a sentir o ‘rigor’ de não ter acesso aos ingressos dos bilhetes das entradas aos estádios, a fornecedores e à publicidade de patrocinantes”, disse.

António da Silva, jornalista desportivo e promotor do futsal na Venezuela, indicou existir um outro problema, a escassez local de combustível, que gera ainda mais apreensão.

“Neste momento, a distribuição do combustível a nível de todos os organismos no país, é complicada e isso afeta o deslocamento das equipas, num formato tradicional, o viajar às outras cidades, ser visitado ou visitar”, afirmou.

Para este lusodescendente, a Venezuela já “estava em crise, prévia” à pandemia da covid-19 e “é um país muito polarizado» politicamente, “em que os extremos têm a voz mais forte”.

“A esperança é que ao longo de 2021 a vacina possa conter um pouco a propagação da pandemia. Há incerteza, mas esperança, mesmo sabendo que vai ser impossível voltar ao que era antes da covid-19”, disse, insistindo que “é importante e é preciso que os espetadores voltem aos estádios”, mesmo com condicionamentos.

“A covid-19 não nos tem afetado da mesma maneira”, acrescentou o produtor televisivo, ao comparar a situação na Venezuela com a de outros países da América Latina.

O Governo venezuelano “tem conseguido controlar a propagação da doença” num país, com “outros problemas, a distribuição do combustível e a crise económica severa, que configuram um quadro que para o desporto já era um desafio, prévio à covid-19 e que a pandemia veio complicar”, insistiu.

Sobre os clubes portugueses locais, António da Silva afirmou que são fundamentais e com grande protagonismo.

“A atividade geral social de um clube português, aqui na Venezuela, é o desporto. É o futebol, o futsal, dependendo obviamente do clube. Têm também outras modalidades desportivas também e estão inseridos nas competições nacionais e regionais, em representação da comunidade e da cidade onde fazem vida”, salientou.

No entanto, “com a quarentena, com a proibição das reuniões e da atividade social, deixaram de ter atividade e não há maneira de contornar” a situação.

“Agora há um esquema flexível de 7+7, sete dias de quarentena radical seguidos de sete dias de quarentena flexível. Os clubes portugueses vão ter que elaborar um calendário de atividades ajustadas a isso (…) mas se a propagação da doença aumentar teremos que voltar a um confinamento mais radical e estrito”, explicou.

Promotor do futsal, António da Silva explicou ainda que “há três anos que trabalha, em coadjuvação com a Federação Venezuela de Futebol (FVF), o organismo que gere a atividade e a organização dos campeonatos profissional e juvenis, masculinos e feminino” no país.

Também que tem um relacionamento próximo com uma das listas de candidatos que procuram chegar a dirigir a FVF, e desde aí impulsar o futsal na Venezuela, na componente profissional e de formação com um programa para o período 2021 a 2024.

“Para relançar uma modalidade que no nosso país chegou a ter muito boa aceitação, com um campeonato profissional que tinha transmissões ao vivo tanto pela televisão aberta como por cabo”, frisou.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here