Curioso Natal, louco Natal

0
688

Ainda que muitas pessoas associem o Natal a uma época de discussões familiares, o certo é que por trás de tantas histórias, existem umas quantas curiosas, que vale bem a pena contar para entender a importância desta época.

Por exemplo, cinco meses depois de se ter iniciado a Primeira Guerra Mundial, o Natal chegou, e naquela altura ambos os lados decidiram que deviam dar um descanso. Longe do que muitos pensariam, aqueles soldados que se encontravam na frente de batalha cantavam entre eles ‘villancicos’ e canções durante a noite. Na manhã seguinte, soldados alemães saíram das trincheiras e começaram a aproximar-se das tropas Aliadas gritando ‘Feliz Natal’. As testemunhas não queriam acreditar que os soldados britânicos saíssem para recebê-los e apertarem as mãos, e inclusive trocaram cigarros.

Por falar em cânticos, a canção ‘Noite de Paz’ foi uma das que mais disputas provocou. Porquê? O título original desta peça é ‘Stille Nach’, e ainda que tenha sido traduzido para mais de 330 idiomas, a discussão sobre a sua autoria não foi nada pacífica. Só na Áustria, as povoações de Mariapfarr e Oberndorf reclamam que cada uma delas é o local onde a famosa canção de Natal foi escrita, o que aparentemente surgiu devido a um erro entre ambas as povoações. O poema foi escrito em 1816 pelo padre Joseph Mohr, que pediu ao compositor da povoação vizinha, Franz Xaver Gruber, que compusesse o tom para uma das suas letras natalícias. Ambos os autores permaneceram no anonimato 36 anos, até que, em 1854, a corte da Prússia deu-lhes o crédito pela sua criação, que hoje se ouve em rádios, supermercados, telemóveis, etc.

Em Espanha é muito comum a lotaria de Natal, sobretudo em cidades como Madrid e Barcelona, onde as pessoas fazem filas de quilómetros para adquirir os seus bilhetes, mas certamente não sabia que esta tradição é originária de Cádis, e que se realizou pela primeira vez no ano de 1812.

E se isto o deixou surpreendido, encerramos com o anúncio do Departamento de Pesca e Caça do Alasca, que assegura que as renas que acompanham o Pai Natal não são machos mas sim fêmeas, pelo que Rodolfo na realidade é Rodolfa. Como o sabem? As renas machos perdem os cornos no Inverno, enquanto as fêmeas os conservam até à Primavera, quando dão à luz.

[quote_center]Feliz Natal![/quote_center]

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here