Daniel Bastos abordou panorama histórico da emigração portuguesa em Braga

0
18

Na passada quinta-feira (28 de abril), o historiador Daniel Bastos, colaborador do Portuguese Times, que ao longo dos últimos anos tem publicado vários livros no domínio da História e Emigração, cujas sessões de apresentação o têm colocado em contacto estreito com as comunidades portuguesas, participou como escritor convidado na Semana da Leitura do Colégio João Paulo II, uma instituição de ensino particular em Braga.

 No decurso da iniciativa, em que o historiador e escritor apresentou o seu mais recente livro “Crónicas – Comunidades, Emigração e Lusofonia”, obra que reúne os textos que este tem escrito nos últimos anos em diversos meios de comunicação dirigidos para a diáspora, Daniel Bastos proferiu uma palestra onde abordou o panorama histórico da emigração portuguesa.

Ao longo da sua comunicação, o investigador destacou junto da comunidade educativa que encheu o auditório da instituição de ensino, as sucessivas vagas de emigrantes de Portugal para vários países do mundo, como o Brasil no final do séc. XIX, ou os Estados Unidos, Canadá e França no início da década de 1950. A par das consequências sociodemográficas associadas ao fluxo migratório, Daniel Bastos destacou o papel dos emigrantes no desenvolvimento e projeção do país, assim como o facto de nos últimos anos Portugal receber por via da imigração um importante contributo no desenvolvimento socioeconómico, na inversão do paradigma da balança migratória e do processo acentuado de envelhecimento da população.

Historiador, escritor e professor no Colégio João Paulo II, Daniel Bastos é atualmente consultor do Museu das Migrações e das Comunidades, sediado em Fafe, e da rede museológica virtual das comunidades portuguesas, instituída pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, que pretende criar uma plataforma entre diversos núcleos museológicos, arquivos e coleções respeitantes à história e à memória, à vida e às perspetivas de futuro dos portugueses que vivem e trabalham fora do seu país.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here