Ex-escritório do Banif reabre em Caracas como Santander Totta

Renato Escórcio mantém-se à frente da direcção do escritório de representação do banco na capital venezuelana

0
2787

Momentos de grande tensão foram vividos nas últimas semanas em Portugal, principalmente na Região Autónoma da Madeira, na sequência da venda do Banif – Banco Internacional do Funchal ao Banco Santander Totta, por um total de 150 milhões de euros. Como era esperar, o negócio gerou muitas dúvidas entre os clientes do Banif na Venezuela, sobretudo quando deram com as portas fechadas do escritório de representação da entidade bancária em Caracas.
Contudo, o CORREIO apurou junto de representantes do banco espanhol que a sede da ex-representação do Bainf, situada no Edifício Bancaracas, na avenida San Felipe, urbanização La Castellana, zona leste de Caracas, vai abrir na próxima terça-feira, 12 de Janeiro.
A sede vai reabrir as suas portas sob o nome e a imagem do Santander Totta, mas mantendo o mesmo corpo de funcionários que trabalhava para o Banif, sob a direcção de Renato Escórcio.
Recorde-se que as autoridades lusas decidiram a venda da actividade do Banif e da maior parte dos seus activos e passivos ao Banco Santander Totta por 150 milhões de euros. O Banco de Portugal precisou que será transferida para o grupo espanhol «a generalidade da actividade do Banif, com excepção dos activos problemáticos, que serão transferidos para um veículo de gestão de activos (…). No Banif permanecerá um conjunto muito restrito de activos, que será objecto de uma futura liquidação, assim como as posições dos accionistas, dos créditos subordinados e das partes relacionadas», precisou.
O Banif conta com cerca de 6.000 milhões de euros em depósitos e emprega cerca de 2.000 trabalhadores. O Estado português controlava uma participação de 60% da entidade depois de injectar 1.100 milhões de euros em 2013, dos quais 700 milhões se converteram em acções e 400 milhões através de um instrumento de capital híbrido. Destes, o Banif apenas devolveu 275 milhões.
Tendo em conta a situação do banco e a entrada em vigor, em 1 de Janeiro de 2016, de uma alteração normativa a nível europeu que obriga os accionistas, credores e aforradores com depósitos superiores a 100.000 euros a responder em caso de falência, o Banco de Portugal e o Governo português entenderam que a venda do banco ao Santander Totta devia ser apressada e que consistia na melhor solução.

Artículo anteriorPresidente da Venezuela nomeia novo Governo
Artículo siguienteFIFA volta a distinguir ao melhor jogador do mundo
Editor - Jefe de Redacción / Periodista sferreira@correiodevenezuela.com Egresado de la Universidad Católica Andrés Bello como Licenciado en Comunicación Social, mención periodismo, con mención honorífica Cum Laude. Inició su formación profesional como redactor de las publicaciones digitales “Factum” y “Business & Management”, además de ser colaborador para la revista “Bowling al día” y el diario El Nacional. Forma parte del equipo del CORREIO da Venezuela desde el año 2009, desempeñándose como periodista, editor, jefe de redacción y coordinador general. El trabajo en nuestro medio lo ha alternado con cursos en Community Management, lo que le ha permitido llevar las cuentas de diferentes empresas. En el año 2012 debutó como diseñador de joyas con su marca Pistacho's Accesorios y un año más tarde creó la Fundación Manos de Esperanza, en pro de la lucha contra el cáncer infantil en Venezuela. En 2013 fungió como director de Comunicaciones del Premio Torbellino Flamenco. Actualmente, además de ser el Editor de nuestro medio y corresponsal del Diário de Notícias da Madeira, también funge como el encargado de las Comunicaciones Culturales de la Asociación Civil Centro Portugués.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here