Fotoflash 703

0
919

A presente situação político-social que se vive na Venezuela requer de todos os intervenientes a melhor atenção e tolerância de forma a que a gravidade dos factos vividos nas últimas semanas em todo o País não criem ainda mais feridas e cicatrizes no tecido populacional venezuelano. Temos vivido com angústia toda esta posição de violência verbal e física que tem sido disputada por ambas as partes. Já com mais de uma centena de vítimas, contadas apenas nos campos de batalha em que se transformaram as manifestações, que se pretendiam pacíficas. Por este andar não nos restam dúvidas de que muitos Portugueses também, estão a abandonar a Venezuela, em direção à terra das suas raízes, onde diversas entidades governamentais, nomeadamente a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas e o Governo da Região Autónoma da Madeira, têm preparado um plano de recepção e de apoio aos naturais e aos luso-descendentes que decidam regressar ou ficar na terra dos seus antecedentes.

No caso particular da Madeira está em curso um programa de reabilitação dos cidadãos e famílias que chegam da Venezuela, e que pretende lhes dar o mínimo de condições, conforto e bem-estar para que se sintam bem na Região Autónoma. Por isso, queremos aqui relevar esse esforço, que no caso da Madeira passa até pelo aluguer de um empreendimento imobiliário recém-construído, na freguesia de Água de Pena, que, poderá, numa primeira fase, acolher muitas das famílias que chegam à ilha, sem habitação. Um autêntico movimento de refugiados que é preciso reconhecer e lhes dispensar o maior carinho.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here