Governo venezuelano lamenta silêncio de Guterres sobre ameaças de morte a Maduro

0
111

O governo venezuelano lamentou quinta-feira o silêncio do secretário-geral das Nações Unidas sobre as ameaças de morte contra o Presidente, Nicolás Maduro, reveladas nas últimas semanas e que alegadamente envolvem opositores, noticiou a EFE.

“A Venezuela lamenta que o secretário-geral da ONU (António Guterres) nunca se tenha pronunciado sobre as fundadas ameaças de morte contra o presidente, nem contra os planos desestabilizadores e violentos, que incluem ataques a instalações militares”, declarou a vice-presidente executiva, Delcy Rodríguez, em declarações ao X.

Delcy Rodríguez criticou ainda Guterres por “ignorar as ameaças internas e externas contra o povo venezuelano e posicionar as suas opiniões nas costas do país”, em resposta ao apelo da ONU para que Caracas garanta o direito de voto e de eleição nas eleições presidenciais que a Venezuela vai realizar em 28 de julho.

Rodríguez assegurou que o governo manterá uma “comunicação permanente” com Guterres “para o alertar” sobre os “planos que estão a ser elaborados no estrangeiro com o apoio do extremismo venezuelano contra a tranquilidade do país”.

Esta declaração responde aos comentários feitos hoje pelo gabinete do porta-voz de Guterres, que indica que o secretário-geral da ONU “lamenta qualquer acontecimento que possa impedir as garantias eleitorais” na Venezuela e “reitera o seu apelo à implementação” dos acordos assinados entre o entre o governo e a oposição.

O comentário da ONU foi feito um dia após a polícia venezuelana ter detido dois colaboradores próximos da líder da oposiçãoe candidata às presidenciais, María Corina Machado, acusada pelo Ministério Público de ter alegadamente planeado atos de violência no período que antecedeu as eleições.

A declaração foi feita pelo porta-voz adjunto de Guterres, Farhan Haq, em conferência de imprensa na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, onde sublinhou a necessidade de “garantir o direito de voto e de ser eleito através de eleições periódicas”.

“O Secretário-Geral sublinha a importância de a comunidade internacional continuar a empenhar-se com as partes num roteiro negociado para as eleições”, disse Haq, apontando diretamente para os Acordos de Barbados alcançados entre o governo e as plataformas da oposição.

Maduro, no poder desde 2013, vai tentar uma segunda reeleição consecutiva, enquanto Maria Corina Machado, eleita nas primárias como candidata da maioria da oposição, não poderá registar a sua candidatura devido a uma sanção imposta pela autoridade judiciária que a impede de exercer cargos públicos.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here