Gustavo Dudamel muda-se para a Filarmónica de Nova Iorque

0
339

O carismático maestro venezuelano Gustavo Dudamel será, a partir de 2026, o director musical e artístico da Filarmónica de Nova Iorque. Ao mudar de costa, trocando a Califórnia — dirigia a Filarmónica de Los Angeles desde 2009 — por Manhattan, tornar-se-á o primeiro maestro da América Latina a dirigir a instituição, numa linhagem que já soma 26 nomes e que se iniciou em 1842, com a fundação da orquestra.

É “uma grande jogada”, comenta o The New York Times ao propósito da nova contratação da orquestra de Nova Iorque, a mais antiga do país e que já foi dirigida por figuras como Gustav Mahler, Arturo Toscanini, Leonard Bernstein ou Pierre Boulez. Já o El País titulou a notícia do feito como se se tratasse de um negócio do mundo do futebol: «Gustavo Dudamel assina com a Filarmónica de Nova Iorque.»
“O que vejo é uma orquestra incrível em Nova Iorque e muito potencial para desenvolver algo importante. É como abrir uma nova porta e construir uma nova casa. É um momento bonito”, disse em entrevista ao jornal norte-americano aquele que é hoje considerado um dos maestros mais célebres e respeitados mundialmente, e que agora se prepara para substituir Jaap van Zweden. Dudamel, de apenas 42 anos, é uma pop star do mundo da música clássica, dirigindo as orquestras por onde passa com uma invulgar atitude descontraída e um quase permanente sorriso no rosto.
Na costa oeste, a sua partida significa um golpe para a cidade, onde Dudamel ajudou a construir uma cena musical dinâmica, convertendo a Filarmónica de Los Angeles, segundo o New York Times, numa das mais inovadoras e lucrativas orquestras dos EUA.
A jogada deve-se a Deborah Borda, a presidente da Filarmónica de Nova Iorque que anteriormente esteve à frente da Filarmónica de Los Angeles. Antes de abandonar as suas funções na instituição californiana, em meados deste ano, conseguiu repetir a estratégia que há 14 anos lhe permitiu contratar Dudamel para fazer brilhar o renovado Walt Disney Concert Hall de Los Angeles. Agora, espera-se que o venezuelano de 42 anos faça o mesmo — ou mesmo mais — na capital cultural do país.
O anúncio chega poucos meses depois da reabertura da sede da Filarmónica de Nova Iorque, o David Geffen Hall, situada no Lincoln Center, após uma renovação que custou 550 milhões de dólares.
“Gustavo Dudamel tornar-se o próximo maestro da Filarmónica de Nova Iorque é um acontecimento sísmico para a cena cultural da cidade”, escreveu o crítico Zachary Woolfe no New York Times. E a expectativa não é pouca: “Será que Dudamel pode ser o novo Bernstein de Nova Iorque?”, pergunta, referindo-se ao sucesso da orquestra nos anos 60 junto de um público mais alargado, façanha de que Bernstein, também compositor, foi o grande motor.
Gustavo Dudamel acumulará o cargo em Nova Iorque com o de director musical da Ópera Nacional de Paris, com a qual tem contrato assinado até 2027. E, como sempre, continuará a colaborar com as orquestras do El Sistema, na Venezuela, projecto que tem como objectivo reabilitar através da música jovens de meios sociais desfavorecidos.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here