Madeira atenta ao risco de reintrodução de dengue

Elevado número de casos de febre Chikungunya na Venezuela também preocupa IASAÚDE

0
856

Embora a Região esteja, desde 3 de Março de 2013, em fase fora de surto, sem qualquer registo de casos de autóctones de dengue desde essa data, o Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais (IASAÚDE) está atento a uma possível reintrodução do vírus na Madeira.

Em circular normativa enviada recentemente a todas as unidades prestadoras de cuidados do Sistema Regional de Saúde, o IASAÚDE recorda que “face ao padrão de actividade sazonal do vector Aedes aegypti, ao aumento de viajantes provenientes da República Bolivariana da Venezuela  e ao aumento de dos casos de dengue naquele país, bem como o registo de vários casos, autóctones e importados, de chikungunya quer na República Bolivariana da Venezuela, quer em áreas geográficas vizinhas designadamente as Caraíbas e as Antilhas Holandesas, entendem-se poderem estar reunidos alguns factores determinantes do risco de reintrodução e/ou introdução de uma arbovirose na Região”, alerta a autoridade.

Tendo em conta estas variáveis, o IASAÚDE prefere alertar as unidades e profissionais da área para a “capital importância” da vigilância epidemiológica como principal medida para a detecção precoce de qualquer caso importado ou autóctone dos dois vírus. O objectivo é o de prevenir qualquer possibilidade de ciclo de transmissão já que o mosquito Aedes aegypti está instalado na Madeira.

Vírus com nome difícil 

O vírus chikungunya, transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus, causa febre alta e repentina, erupções na pele, dor de cabeça e dores musculares e articulares, mas não costuma ser mortal. Até há uns anos, o vírus chikungunya havia sido detectado somente em África, onde estava restrito a um ciclo silvestre, e na Ásia e na Índia onde sua transmissão era principalmente urbana. Com  a propagação dos vectores para a Europa e América, em 2007, houve um surto no Nordeste de Itália, com o vírus a ser transmitido pelo mosquito Aedes albopictus. No final de 2013, vários casos foram notificados na França. Mas tem sido sobretudo na América do Sul e Central que o chikungunya tem se propagado.  Os dados mais recentes referem que na Venezuela estão confirmados 56.193 casos da dengue e 788 casos de pacientes infectados com o vírus Chikungunya.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here