Maduro acusa Inglaterra, Portugal, Espanha e EUA de bloqueio para comprar vacinas

0
134

Lusa

O Presidente da Venezuela denunciou um bloqueio em vários países de recursos que o Governo pretendia usar para adquirir vacinas contra a covid-19, responsável por mais de um milhar de mortes no país.

«Os recursos para comprar a vacina estão congelados e roubados por Inglaterra, Portugal, Espanha e Estados Unidos», disse Nicolás Maduro, durante um balanço semanal sobre a luta contra a covid-19 na Venezuela.

Portugal, Espanha, Estados Unidos e Reino Unido integram o grupo de meia centena de países que não reconhecem a legitimidade de Maduro como Presidente venezuelano, por questionarem os resultados das eleições de maio de 2018, nas quais o líder socialista foi reeleito.

«Reclamámos para que nos entreguem o dinheiro para comprar a vacina, através da Organização Mundial de Saúde, e negaram. Por isso, faço esta denúncia», acrescentou, sem referir o montante dos recursos bloqueados, nem o número de doses que a Venezuela pretende comprar.

No entanto, Maduro reiterou que o Governo venezuelano vai dispor, no primeiro trimestre do ano, de dez milhões de doses da vacina Sputnik V, na sequência da assinatura de um contrato com a Rússia no início da passada semana.

«A vacina russa não está bloqueada, conseguimos usar recursos e pagar com facilidades dadas pela Rússia, isso é ser um verdadeiro amigo da Venezuela», disse.

De acordo com o responsável, as doses da vacina russa vão servir para imunizar o mesmo número de venezuelanos. Em dezembro, Maduro indicou que o plano de vacinação devia começar em abril próximo.

Também no domingo, a oposição venezuelana, liderada por Juan Guaidó, reconhecido como Presidente interino da Venezuela por mais de 50 Governos, comprometeu-se a tentar adquirir vacinas contra a covid-19 através da plataforma COVAX, que integra 190 países.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.835.824 mortos resultantes de mais de 84,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here