Marcelo faz elogio ao povo que construiu Portugal e se espalhou pelos oceanos

0
21

O Presidente da República fez hoje um elogio ao povo português, no seu discurso no 10 de Junho, «a arraia-miúda» que construiu Portugal e se espalhou pelos oceanos e que «se desdobrou em dois» na independência do Brasil.

«É o povo português a razão de sermos o que somos e como somos, de sermos Portugal, viva o povo português, vivam os portugueses de ontem, de hoje e de sempre onde quer que façam Portugal. Viva o nosso querido Portugal», declarou o chefe de Estado, na cerimónia militar comemorativa do 10 de Junho, na Avenida da Liberdade, em Braga.

Num discurso de aproximadamente 15 minutos, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que, ao longo da História de Portugal, desde a separação do Reino de Leão, esteve «sempre, sempre presente o povo».

«Se é verdade que os seus soberanos, os seus líderes, os seus chefes encheram também páginas da nossa História, não é menos que sem o povo, sem a arraia-miúda de que falava Fernão Lopes, não teria havido o Portugal que temos», defendeu.

«Porque foi esse povo quem morreu aos milhares na conquista do território, partiu em cascas de noz pelos oceanos para o desconhecido, ficou espalhado um pouco por todo o universo, e deixou língua, alma e saudades das raízes. E ainda esteve nos momentos decisivos para podermos vir a ser o que somos, desde os combates nos séculos XIV e XVII pela nossa independência, a nossa restauração», acrescentou.

O chefe de Estado dedicou parte do seu discurso à Constituição de 1822 e à independência do Brasil, no mesmo ano: «Celebramos este ano dois séculos do começo do fim do nosso império colonial, partilhando o júbilo dos nossos irmãos do outro lado do Atlântico como outro passo do nosso povo, que se desdobrou em dois, o povo brasileiro e o povo português, com a naturalidade do que era inevitável e portador de futuro».

Assinalando a Cimeira dos Oceanos que terá lugar em Lisboa no fim deste mês, defendeu que «só é possível em Portugal porque o mesmo povo português escolheu o oceano como seu destino».

«São os milhões e milhões de portugueses de carne e osso que fizeram Portugal, que fazem Portugal, que farão Portugal. Foi o povo que deu o que tinha e o que era sempre Portugal. Foi o povo português que cruzou oceanos e fez dos oceanos a nossa nova terra de futuro», declarou.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here