Passado, presente e futuro do movimento associativo das comunidades portuguesas

0
76

O movimento associativo das comunidades portuguesas constitui um dos mais importantes elos de ligação dos milhões de compatriotas disseminados pelo estrageiro à língua, cultura, história e memória da pátria de origem, e simultaneamente uma das marcas mais expressivas da sua inserção nas pátrias de acolhimento.
Espaços privilegiados de cultura e participação cívica, as associações das comunidades portuguesas são a argamassa identitária que une a diáspora, e por isso mesmo, as mais genuínas embaixadoras de Portugal no mundo.

Nestes últimos dois anos marcados pela pandemia, contexto que mudou radicalmente o quotidiano das sociedades, o movimento associativo das comunidades lusas enfrenta grandes desafios. Este cenário foi recentemente abordado por um dos mais destacados dirigentes associativos da comunidade portuguesa na América, Jack Costa, o mais jovem presidente na história do Sport Club Português (SCP), em Newark, Nova Jérsia, coletividade que neste ano que agora finda comemorou o seu centenário, e foi condecorada com a Ordem do Mérito pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Em declarações à imprensa luso-americana, o atual vice-presidente da mesa da Assembleia Geral do SCP, fez uma radiografia completa sobre o passado, presente e futuro do meio associativo em Newark, e que é extensível, às demais associações espalhadas pelas comunidades portuguesas. Desde logo, reconheceu a dificuldade em “comemorar o centenário em pandemia”, cenário que um pouco por toda a geografia da diáspora, tem entravado a realização de eventos e iniciativas, que em muitos casos garantem a obtenção de receitas que permitem custear o normal funcionamento das associações, como seja o pagamento da água, luz, rendas dos espaços ou a sua manutenção.

Perspetivando o futuro do movimento associativo em Newark, Jack Costa, assumiu “olhar com um misto de preocupação e motivação. Preocupação por notar que cada vez é menor o número de pessoas que se dedicam às associações”. Uma problemática, que é inclusive anterior à pandemia, e que começa a alastrar no meio associativo das comunidades portuguesas, mormente, o envelhecimento dos seus quadros dirigentes, da maioria dos seus associados e da escassa participação dos lusodescendentes.

É nesse sentido, que o dirigente associativo luso-americano, defende que “vamos ter seriamente de parar para pensar no futuro das associações portuguesas”, sendo que os clubes devem “reinventarem-se para voltar a atrair as pessoas da minha geração e até mesmo as seguintes, porque quem sustenta o movimento associativo está a achegar à idade da reforma e é preciso sangue novo”.

Assim como, adotar um novo modelo de atuação e organização das associações, que em muitos casos, poderá passar por um paradigma de partilha de uma “casa comum”, capaz de reunir num só espaço com dignidade e dimensão a valiosa argamassa identitária das comunidades portuguesas. Nas palavras do mesmo “com bairrismos, não se vai lá. A única luz no fundo do túnel é a junção de muitas associações numa só onde todos tenham espaço. Só que muita gente não quer falar nisso, mas o tempo urge”.

Na esteira do olhar radiográfico de Jack Costa, e alargando o seu campo de visão a toda a geografia da diáspora, é condição “sine qua non” que o movimento associativo das comunidades portuguesas seja capaz de congregar sinergias e diluir divergências. De modo, a potenciar o coletivo, a união, e os cada vez mais parcos recursos humanos e financeiros que existem no movimento associativo em prol da cultura lusa.

Que esta união e solidariedade seja a incessante bandeira das comunidades portuguesas, em particular, do seu movimento associativo, e que esta seja a desígnio que nos oriente nestes tempos desafiantes no rumo da alegria, da saúde e de um próspero ano novo.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here