Retrospectiva 633

0
603

[quote_box_left]

1.- A Venezuela tem neste fim-de-semana eleições. Mais uma vez os cidadãos são chamados para sufragar nas urnas os candidatos apresentados pelas diversas forças político-partidárias do País.

Trata-se de um exercício que se pretende livre e responsável, sobretudo numa ocasião e que a Venezuela atravessa uma crise, sem precedentes nas últimas décadas.

Está em causa o futuro de todos os Venezuelanos e é isso que está em jogo (agora com uma relevância extraordinariamente pertinente) nas eleições de Domingo, dia 6 de Dezembro. Porque este caminho de esperança constrói-se com todos, a participação é um factor essencial para que ninguém fique arredado de contribuir para uma melhor solução ou para aquela que, cada um, individualmente, considere ser a mais apropriada e justa para o País.

Está em causa um modelo de governação, que deve ser testado e confrontado com as alternativas propostas e daí sairá, certamente, o julgamento do Povo que irá votar. É assim que funcionam os regimes democráticos. Aos vencedores resta aceitar o repto de governar e velar pelos altos interesses de quem os elegeu e da Pátria. Aos derrotados fica a alternativa de continuar a lutar pela imposição das suas ideias e projectos em ocasião futura, mas também, de acompanhar e fiscalizar a actividade do executivo eleito.

Perante o que se sabe e se prevê, dia de eleições é dia obrigatório para se deslocar às mesas de voto. Um gesto que fortalece a nossa moral e nos tonifica para podermos esgrimir argumentos quando falamos sobre política ou governação, seja em que País for.

[/quote_box_left]

[quote_box_right]

2.- Foi constituída a Associação Venezuelana do Ensino da Língua Portuguesa (AVELP), que pretende afiançar o ensino e as tradições lusitanas no país.

«Queremos afiançar o ensino do português na Venezuela (…) difundir a língua, os costumes, as tradições», explica o presidente da associação, David Pinho. Entre os objectivos da associação está «também a formação de professores e a certificação dos cursos e dos alunos».

Desde há cinco anos que o ensino da Língua Portuguesa está em crescimento na Venezuela, havendo mais de três mil alunos a estudar Português, divididos entre clubes portugueses e universidades venezuelanas.

A AVELP prevê convocar uma assembleia geral para Janeiro, a fim de debater temas relacionados com o seu funcionamento e fazer a respectiva apresentação a diversas autoridades e entidades, portuguesas e venezuelanas.

Esta é a prova do grande empenho que hoje existe entre a comunidade sobre as questões ligadas à Língua Portuguesa, que tem sido transmitido a toda a comunidade académica também. Esta semana 47 professores aderiram à AVELP e é possível que o número venha a crescer até à próxima assembleia geral.

Se é verdade que podemos analisar estes acontecimentos pelo prisma de uma honrosa pretensão dos filhos dos nossos compatriotas em aperfeiçoarem a língua materna dos seus ascendentes, não podemos esquecer, que por outro lado, a universalidade da Língua Portuguesa, falada por cerca de 250 milhões de pessoas em todo o mundo, é um factor determinante que incita à sua aprendizagem e conhecimento.

[/quote_box_right]

[quote_box_left]

3.- Estamos a caminhar para o Natal. Tempo de união e de fraternidade. É com alguma alegria que tomámos conhecimento de que vários clubes e centros portugueses tiveram a iniciativa de criar eventos que reúnam os Portugueses e descendentes, mas também os seus amigos, em celebrações e festas, que têm por principal objectivo celebrar a Família e a Amizade que se vivem nestes dias.

O Natal tem sido, e será sempre, uma Festa de Família, celebrada nas suas casas, convencionada para unir familiares e amigos, a maioria ligados por tradições religiosas que o Filho de Deus Menino consolida em cada Dezembro.

Os tempos evoluem e o Natal desde há muitos anos que saiu à rua, para zonas de maior convívio, mais abertos quando se fala de comunidades que vivem fora das suas origens, ou que, por via da tal evolução dos tempos, preferem uma comemoração menos convencional, mais abrangente, mais ampliada no espaço e no convívio com outros a quem estão ligados por compromisso e por laços de amizade e carinho.

Será assim nalgumas associações da Comunidade Portuguesa em Venezuela, onde os programas estão prontos para acolher milhares de associados e familiares.

[/quote_box_left]

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here